Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/07/20 às 10h34 - Atualizado em 30/07/20 às 13h34

Mara e Alessandra mostram como a criatividade e a ousadia podem superar a crise

COMPARTILHAR

“A máscara virou um acessório! ” Foi a partir de tal constatação que as empresárias Mara Flauzino e Alessandra Machado tiveram a ideia de reinventar o próprio negócio para não perder renda nem clientela, além de manter a rotina de trabalho e a saúde mental durante a pandemia.

 

Há um ano e meio, elas investiram na Eh Tudo Dez, uma loja virtual de bijuterias vendidas ao preço único de dez reais. Para exibir as peças, transformaram a conta do Instagram em uma grande vitrine e o boca a boca na maior estratégia de marketing. Pouco a pouco, o número de clientes aumentou, as vendas cresceram e os lucros subiram. Em dias normais, as duas visitavam as interessadas em experimentar as peças ou as recebia em casa. Era momento de fazer negócios, mas também de diversão e bate-papo.

 

Até que veio o coronavírus, obrigando o isolamento social. Mara e Alessandra já não podiam levar as peças até a suas compradoras. Também ficou difícil repor o estoque diante da impossibilidade de sair de casa.

 

Foi quando elas aproveitaram a pandemia para oferecer um novo produto sem perder a essência da marca. Decidiram fazer máscaras diferenciadas, com tecidos nobres, texturizados, com brilho… Era a transformação do equipamento obrigatório de proteção em um acessório que elas queriam que combinasse com a roupa da cliente e chamasse a atenção na hora de compor o look.

 

Apesar da insegurança do novo, não desistiram e compraram uma máquina de costura. Pesquisaram na internet. Erraram, acertaram, até que o primeiro molde saiu. Descobriram, então, que não era tão complicado confeccionar as peças e, desde o início da quarentena, produzem, em média, 100 máscaras por dia. As vendas já pagaram o investimento do equipamento. Agora, atendem, virtualmente, não só as antigas clientes como também as que apareceram em busca de uma máscara personalizada.

As empresárias se preocupam não só com o tecido do acessório, mas também com a qualidade e segurança do produto que confeccionam. Todas têm forro duplo para garantir mais proteção a quem usa. Além disso, Mara e Alessandra desenvolveram modelos masculinos, infantis e ainda aceitam encomendas para ocasiões especiais, como a de uma noiva, que vai se casar em tempos de coronavírus e deseja usar uma máscara exclusiva no dia na festa. E o melhor: pagando apenas 10 reais.